SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

por João Marcos Bezerra – jmarcoscb@gmail.com
Txt base: Mt 7.1-5

Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados… (Mt 7.1,2 NVI)

Atualmente é bem comum ver as pessoas fazerem algo errado e quando alguém fala alguma coisa, o infrator se justifica logo dizendo: “ninguém pode me julgar; só quem pode me julgar é Deus”. Outros defendem alguns pregadores “cristãos” da mídia que cometem erros doutrinários grosseiros, dizendo também: “ninguém pode julgar eles; pelo menos estão ganhando almas”. Algumas destas pessoas usam Mateus 7.1 como fundamento para a frase: “Pois Jesus mesmo falou ‘não julgueis, para que não sejais julgados’”. Será que é isso mesmo? Será que o Senhor não permite o julgamento? Ou se permite qual o tipo de julgamento que é condenado neste texto de Mateus?
Para começar é importante entender o termo ‘julgar’ no texto bíblico. No original grego (krino) a definição é “selecionar, escolher; ser de opinião, pensar; decretar; pronunciar uma opinião relativa ao certo ou errado; sujeitar à censura; recorrer à lei” (STRONG)[1]. Então, o sentido da palavra é muito mais amplo do que simplesmente determinar se a pessoa agiu corretamente ou não, mas está no fato de escolher, pensar, opinar se é certo ou errado. Será que Jesus não queria que as pessoas fizessem isto?



Leia mais no livro "Escritos Modernos de um jovem sabido". Solicite já o seu pelo email jmarcoscb@gmail.com ou pelo site da Editora Koinonia.

Quem repreende o próximo obterá por fim mais favor do que aquele que só sabe bajular.
(Salomão – Provérbios 28.23).

[1] Bíblia Strong: português, hebraico, grego. Aplicativo para celular.
[2] Bíblia de Estudo MacArthur. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2010.
[3] WUEST, Kenneth S. Jóias do Novo Testamento grego. São Paulo: Imprensa Batista Regular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

ALÉM DE UM PALMO DO NARIZ