QUE HORA É ESSA, MERMÃO?!



por João Marcos Bezerra - jmarcoscb@gmail.com
Texto base: Jo 2.1-12

Que temos nós em comum, mulher? A minha hora ainda não chegou. (Jo 2.4 NVI)

O texto de João 2.1-12 é bem conhecido e clássico nos púlpitos. Ele trata do primeiro milagre de Jesus, realizado em Caná da Galileia: a transformação da água em vinho. É uma história muito usada para tratar sobre casamento, obediência, vinho como referência a alegria etc., mas o objetivo central do texto é apresentar o primeiro milagre de Jesus. Simples assim! Isso porque a propósito do Evangelho de João é apresentar alguns sinais miraculosos de Jesus para que os seus seguidores creiam que Ele é “o Cristo, o Filho de Deus e, crendo, tenham vida em seu nome” (20.30,31).
“Ah! Então é errado pregar sobre outros temas dentro deste contexto, se a finalidade dele é apresentar o milagre?”. De jeito nenhum! Para entender isso melhor entendamos que o estudo de qualquer trecho da Bíblia deve compreender no mínimo três etapas: análise e compreensão do objetivo do texto (para quem o autor escreveu, porque escreveu e qual é a sua mensagem original), extração de princípios e elaboração de aplicações práticas para a atualidade (em que é possível aplicar hoje o princípio extraído?). Então, o propósito de João 2.1-12 é o sinal de quem era Cristo de fato em sua simplicidade, mas é possível extrair princípios e aplicações práticas sobre casamento, obediência, alegria e preparação espiritual.
O presente estudo vai mostrar de forma prática essas etapas de estudo da Bíblia com base em um elemento do texto que me chamou a atenção: que hora é essa que Jesus fala no verso 04 que ainda não chegou? Hora de começar a operar milagres? Hora de se mostrar ao mundo como Messias? Ou seria a hora de não obedecer mais a mãe? (hahaha – Fico imaginando se Maria fosse nordestina e ouvisse essa resposta de Jesus: “Que tenho eu contigo, mulher?”. Talvez ela dissesse: “É o que, menino?! Quem foi que ti botou no mundo? Num passei nove meses contigo no bucho pra ouvir uma resposta dessa não. Me respeite! Tome tento e faça o que ti mandei!” – hehehe). Brincadeiras a parte, vamos descobrir de que hora o Senhor está falando, usando as etapas mencionadas no parágrafo anterior.
O termo hora no original quer dizer “qualquer tempo definido, momento” (Bíblia Strong). Então, a expressão ‘é chegada a minha hora’ significa que Jesus fala de um tempo determinado para um acontecimento conhecido previamente, ou seja, Ele fala de um evento futuro que sabia que aconteceria. Que evento é este? Para responder a esta pergunta vamos fazer o papel de um detetive e acompanhar as pistas que o próprio Evangelho de João nos dá.
A primeira dica é encontrada nos versos 7.6,8, onde lemos Jesus dizendo aos seus irmãos que não criam Nele: “Para mim ainda não chegou o tempo certo; para vocês qualquer tempo é certo… Vão vocês à festa, mas eu não vou porque a minha hora ainda não chegou”. No mesmo capítulo, durante a Festa dos Tabernáculos, também conhecida como das Cabanas ou das Barracas, as pessoas questionavam se o mestre era mesmo o Messias, mais uma vez essa hora é citada: “Então tentaram prendê-lo, mas ninguém lhe pôs as mãos, porque a sua hora ainda não havia chegado” (v.30).
Outra pista encontrada está no momento em que Cristo ensinava no templo (8.20): “No entanto, ninguém o prendeu, porque a sua hora ainda não havia chegado”. Opa! Até agora, já temos informações suficientes para saber que o momento que haveria de chegar indicava a Sua prisão. Jesus já sabia desde o início do Seu ministério que seria preso. Isso para nós é lógico, mas vamos continuar perseguindo as pistas para ver se há algo mais.
Continuando as investigações, as dicas nos levam a outros textos do Evangelho de João. Após ressuscitar Lázaro, alguns gregos foram ver Jesus e quando Filipe e André informaram o fato ao mestre e este disse: “Chegou a hora de ser glorificado o Filho do homem” (12.23). Olha aqui! Será que a hora também era referência ao reconhecimento do Cristo pelos gentios, os não judeus? Para responder vejamos o restante do verso: “Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto” (v.24). Não é só isso! A pista leva a morte de Jesus.
Prosseguindo, a partir do capítulo 13 deste evangelho são apresentados os fatos da semana antecedente a morte do Senhor. O verso 01 escreve o seguinte: “Um pouco antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que havia chegado o tempo em que deixaria este mundo e iria para o Pai…”. Isto é outra evidência de que a hora mencionada no casamento em Caná da Galileia tratava da própria morte de Cristo, onde é comprovada pela última evidência encontrada, quando Jesus orou ao Pai pelos seus discípulos disse: “Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique” (17.1).
Então, com a investigação, enfatizando a expressão “a minha hora ainda não chegou”, vemos que o objetivo desta é que Jesus, não só tinha ciência da Sua prisão, morte e glorificação, como também queria que os discípulos, desde o início do ministério, fizessem referência Dele ao Messias. Simples assim! Porque ao reconhecer isto, os discípulos deveriam saber, desde o início também, que o mestre morreria e, como era o Cristo, ressuscitaria. Se desde o início do ministério de Jesus os discípulos, que conheciam as Escrituras Sagradas, reconhecessem e cressem plenamente que Ele era o Ungido de Deus, não achariam que o corpo de Jesus havia sido retirado do túmulo por alguém (20.2) e muito menos não ficariam “boiando” com a sepultura vazia porque entenderiam as Escrituras, “que dizem que era preciso que Jesus ressuscitasse” (v.9). Com isso, cumprimos a primeira etapa de um estudo bíblico.
Partindo para os passos seguintes, extraí um princípio que, como discípulos de Jesus, devemos reconhecer quem Ele é e crer de todo o coração no que Ele pode fazer; assim como, devemos aplicar em nossa vida hoje que é necessário fazer exercícios diários para fortalecer a nossa fé, como o estudo das Escrituras e o relacionamento com Deus por meio da oração, para reconhecer quem Ele é de verdade e crer no Seu poder e nas Suas promessas. Com isso, não ficaremos desorientados e enfraquecidos quando uma adversidade vier sobre nós.
Por fim, aprendemos hoje não somente o que quer dizer a expressão “a minha hora ainda não chegou” (Jo 2.4), extraindo princípio e aplicação prática para nossas vidas hoje, mas também como devemos estudar a Bíblia para entender o objetivo do texto. Que a partir de agora, possamos aplicar este processo no nosso estudo da Bíblia para se aprofundar no conhecimento das Escrituras e de Deus, aprendendo a lidar com as adversidades, como viver neste mundo tenebroso e onde está a nossa verdadeira esperança. Deus abençoe geral!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

FUSÃO NUCLEAR