O CHORO DO PROFETA

Por João Marcos Bezerra
Texto Base: Lm 2

Meus olhos estão cansados de chorar, minha alma está atormentada, meu coração se derrama, porque o meu povo está destruído, porque crianças e bebês desmaiam pelas ruas da cidade. Eles clamam às suas mães: “onde estão o pão e o vinho?” Ao mesmo tempo em que desmaiam pelas ruas da cidade. (Lm 2.11,12 NVI)

Este é o lamento do profeta Jeremias pela desolação que o povo escolhido de Deus sofreu por Nabucodonosor, rei da Babilônia, em 586a.C. Havia grande miséria nacional e a dor sentida era enorme, o que levou o mesmo profeta que proferiu os alertas divinos ante a conquista inimiga no livro de Jeremias a chorar “até cansar” e escrever de forma poética e dolorosa, com cantos fúnebres, a ruína de Judá.
Imaginem como é triste ver pessoas passando fome, sentindo dor, desalojadas, sem ter para onde ir, com frio e sede. Isto é algo comum na sociedade atual, mas naquele cenário a destruição foi causada por guerra, pela “espada do inimigo”. Mas o que levou à Jerusalém toda essa ruína? Pecado! Eles abandonaram a presença de Deus, voltaram-se para os ídolos e aos próprios prazeres.
Entretanto, isso não representava o abandono divino. Deus estava com Israel, mesmo no cativeiro, de tal forma que Ele restaurou o Seu povo e hoje se vê uma nação forte. Ele é misericordioso! No meio dos cativos estavam servos fiéis ao Senhor, que fez com que a nação não fosse extinta assim como Sodoma e Gomorra.
Em Gn 18.26 diz: “Respondeu o Senhor: ‘Se eu encontrar cinqüenta justos em Sodoma, pouparei a cidade toda por amor a eles’”. Durante esse diálogo com Abraão, o Pai diminuiu a conta até dez justos (v.32). Todavia, apenas a família de Ló foi contada e poupada da destruição. Durante a metade do reinado de Davi e em todo o governo de Salomão em Israel, esta nação gozou de paz e prosperidade ao ponto do salmista dizer: “Feliz a nação cujo Deus é o Senhor, o povo que Ele escolheu como herança” (Sl 33.12). Atualmente, pode-se ver diversas nações onde a maioria do povo sofre com a miséria e a privação. As pessoas sofrem as conseqüências de uma vida sem a orientação do Pai e sem governantes guiados pelo Senhor.
Numa pesquisa recente se descobriu que está crescendo no Brasil o número de pessoas que se dizem ateia, que negam a existência de Deus; e ainda, há alguns governantes que veneram demônios (orixás e espíritos encarnados) ou desprezam o Divino, a maioria da população agi de maneira torpe e vive em pecado, e os líderes “cristãos” dão mau testemunho, fazendo o que é abominável ao Senhor. E quem sofre? O povo!
Porém, ainda há servos fieis em meio a multidão. Pessoas que levam a sério a Bíblia e vivem e pregam a Palavra de Deus. Gente que ora clamando por bênção aos governantes, em vez de amaldiçoá-los. Povo que deseja a misericórdia divina para toda a nação. Seja um servo desses e permita que a misericórdia do Pai caia sobre a nossa nação!


"Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens, pelos reis, e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade." (I Tm 2.1-4)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

PRECISAMOS FALAR DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA?