A PROFESSORA SOPHIA

-->
Por João Marcos Bezerra

Leitura Bíblica: Provérbios 8.22-36

Porque o que me acha encontra a vida e alcança favor do Senhor. (Pv 8.35)

Numa pequena Escola Técnica, num bairro pobre de uma grande cidade, havia uma professora chamada Sophia Chokmak. Ela possuía um conhecimento técnico em construção civil elevadíssimo. Tinha muitos anos de experiência com grandes arquitetos e engenheiros, inclusive o maior. Já compôs a equipe técnica de diversas obras de grande vulto no mundo. Entretanto, apesar de tanto renome, gostava de lecionar nesta escola, pois gostava de ver a mudança de vida nas pessoas.
Num determinado momento de sua carreira, ela se deparou com uma turma com alunos que trabalhavam em tempo integral e “dedicavam” poucas horas da noite para assistirem as aulas. Estes mal conseguiam prestar atenção nas aulas por fadiga e muito menos estudar nos horários livres.
Além disso, a turma também gostava de brincadeiras durante as aulas e não assimilava o conteúdo. Entretanto, com muita sabedoria a professora Sophia administrava suas aulas e transmitia o conteúdo de forma simples e direta. Mesmo assim, o resultado do seu trabalho não foi alcançado: a turma toda ficou em recuperação.
Muito frustrada e triste, Chokmak foi àquela turma com a recuperação e foi recepcionada por alunos revoltados com a recuperação. Era um absurdo, pois trabalhavam e não tinham tempo para estudar.
E então, qual deveria ser a atitude da professora Sophia? Dar pontos? Passar todo mundo sem recuperação? Fazer uma prova fácil? Dar uma revisão sobre a prova? O que seria justo e sábio? Como a Sabedoria agiria?
A Sabedoria é a professora Sophia (sabedoria em grego) Chokmak (habilidade, um tipo de sabedoria em hebraico) que existe e ensina ao longo da história; a Escola Técnica é a criação, que serve como laboratório; e os alunos somos nós, que justificamos no cansaço causado pelas obrigações humanas a falta de atenção em Deus ou negligenciamos o ensino divino.
Quando chega o resultado final reclamamos os direitos e agimos como se o Professor fosse o culpado pela reprovação. O conteúdo foi dado com graça e precisão, mas não nos esforçamos para aprender e não nos tornamos pessoas qualificadas para a vida.
O dia do Juízo Final está chegando! Para alcançarmos o resultado favorável, precisamos pagar o preço e nos aplicarmos, como bons alunos, no processo de aprendizado.

O seu comportamento como aluno o levará a qual resultado final?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

PRECISAMOS FALAR DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA?