ORE E ENTRE NA GUERRA

Por João Marcos Bezerra
Textos Base: Ef 6.18

De joelhos travo mais uma batalha / De olhos fechados, vejo o impossível acontecer / Piso nos restos de uma grande muralha / Destruídas pelo poder de quem luta por mim. (Música “De Joelhos” – Oficina G3)

Entendo que a oração é o momento que nos voltamos para o Deus Todo Poderoso e pedimos o auxílio esperado; é quando assumimos que não podemos continuar a batalha sem o Senhor. E quando nos prostramos de joelhos o Diabo “bate em retirada”, pois sabe que nesse momento o Senhor assume a batalha para si (Sl 140.7).
Ouvi certo dia que a oração não é parte de uma preparação para a guerra espiritual, mas é a própria guerra. Então, como estamos caminhando em meio a uma batalha que não é contra homens, mas contra os principados, as potestades, os príncipes deste mundo tenebroso e as hostes espirituais do mal (Ef 6.12), devemos investir ainda mais em oração porque colocamos a batalha nas mãos de quem realmente tem poder: O Grande El Shadai.
O Apóstolo Paulo aconselha os crentes a fazerem isso: “com toda a oração e súplica orando em todo tempo no Espírito e, para o mesmo fim, vigiando com toda a perseverança e súplica, por todos os santos” (Ef 6.18), “Orai sem cessar” (I Ts 5.17).
Numa batalha o soldado deve está vigilante, de prontidão, para que não venha a cair nas mãos do inimigo. Por isso, há em torno de quinze verbos imperativos “vigiai” no Novo Testamento. Se você é um soldado vigie durante a guerra. E se você é um soldado do Senhor Jesus ore e experimente as vantagens e as alegrias de lutar no lado vencedor (Rm 8.37).

Mil caíram ao meu lado / Com meus olhos pude ver / Dez mil a minha direita / Mal algum não vou temer. (Música “De Joelhos” – Oficina G3)

A oração é algo essencial na vida de todo cristão. Então, faça isso em todos os momentos da sua vida! Esteja sempre em comunicação intensa com Deus, pois você já entrou numa guerra sem trégua e para permanecer firme até o fim precisa orar.
Junte-se a nós nessa empreitada de oração, seja impactado, transformado, e desfrute da alegria de ter a Cristo do seu lado até o fim dela.

Com minhas mãos levanto a bandeira / Marcada com o sangue de quem morreu por mim / A sombra da cruz descanso a minha alma / Que venha o poder / Daquele que venceu por mim. (Música “De Joelhos” – Oficina G3)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

FUSÃO NUCLEAR