CELEBREMOS A PÁSCOA

Por: João Marcos Bezerra
Informações extraídas da Enciclopédia Eletrônica Wikipédia

Mais um Carnaval passou e agora chegamos a mais um feriadão esperado no ano. É a Páscoa, onde comemos ovos de chocolate, cantamos o “Coelhinho da Páscoa”, pausamos o consumo de carne e outros costumes mais. Mas o que realmente é a Páscoa? O que o coelho e ovo de chocolate têm com esta festa? Alguém já parou para analisar isso?
A palavra Páscoa vem do hebraico Pessach que significa passagem. É um evento religioso cristão que teve a sua celebração iniciada pelos hebreus após a saída do povo do Egito. Servia para lembrar a passagem da escravidão no Egito para a liberdade na Terra Prometida.
Quando Jesus Cristo, o verbo de Deus (Jo 1.1,14), veio ao mundo e foi condenado a morte, torturado e crucificado o sacrifício do Cordeiro de Deus se consumou, vindo a ressuscitar ao terceiro dia neste mesmo período pascoal (Mc 15 e 16). Por isso, os cristãos comemoram nestes dias a passagem do Messias da morte para a vida através da Ressurreição.
Entretanto, atualmente também comemos ovos de chocolate e fazemos referência ao coelho, por quê?
Na Idade Média os povos pagãos europeus homenageavam neste mesmo período a deusa da primavera Ostera (Esther, Ishtar ou ainda Astarte), que representava a fertilidade e o renascimento e tinha a imagem do ovo e da lebre a ela associados. Acreditava-se que as sacerdotisas dessa deusa eram capazes de prever o futuro observando as entranhas de uma lebre sacrificada. Alguns fazem até a ligação da música “Coelhinho da Páscoa, que trazes pra mim?” com este ritual.
A prática de pintar ovos cozidos e presentear pessoas é um costume em alguns países, embora outros tenham substituído esses ovos por ovos de chocolate. Daí o costume atual, em nosso país, de usar o ovo e o coelho como símbolos da Páscoa. Bem interessante!
A partir daí, podemos observar que mais uma vez o sincretismo penetrou numa festa cristã. Mesmo assim, é importante frisar que o verdadeiro símbolo da Páscoa é o sacrifício de Cristo na cruz pela remissão dos nossos pecados e a Sua ressurreição que nos dá vida eterna, e não são ovos e coelhos.
Por fim, reforço que neste período pascoal devemos celebrar a ressurreição de Jesus Cristo, pois é ela que nos traz prosperidade e nos dá vida. Então, desejo que todos conheçam a vida através da passagem (Páscoa) de Cristo dá morte para a vida.
Feliz Páscoa! Que Deus quebrante os nossos corações, permita-nos viver debaixo da Sua graça e misericórdia e nos encha de vida em Jesus Cristo.

Comentários

UMA ANÁLISE DA SEMANA SANTA E DA PÁSCOA:
A Semana Santa é uma tradição religiosa que celebra a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus Cristo.A Semana Santa se inicia na quarta feira de Jesus Cristo em Jerusalém, que ocorre do domingo de ramos, e tem seu término com a ressurreição de Jesus Cristo, que ocorre no domingo de Páscoa.
Para completar, a Semana Santa surgiu em 325d.C. no Concílio de Nicéia, presidido pelo Imperador Constantino, quando determinaram que esta Semana duraria do Domingo de Ramos ao Domingo de Páscoa, com o intuito de relembrar os últimos dias de Jesus Cristo e a Sua Ressurreição, que foi no domingo de Páscoa. É justamente a este dia que o texto se refere.
Isso se dá porque a própria Semana Santa instituída pela Igreja Católica Romana, tem como ponto central a Páscoa - passagem de Cristo da morte para a vida. Não há uma referência judaica, mas cristã.
Este texto tem por objetivo primário abordar a origem desta celebração - que é judaica, fazendo a ligação com a Páscoa popular comemorada hoje e culminando no ponto central da Páscoa cristã - a morte e ressurreição de Jesus Cristo.
É importante frisar que poucos anos após a morte de Jesus, já havia alguns cristãos que celebravam este fato, mesmo antes do surgimento oficial da Igreja Católica Romana e da instituição da Semana Santa. E isto não tinha ligação com o judaismo, mas era um fato ligado a Igreja Cristã Primitiva, de onde se originou a ICR.
Anônimo disse…
Muito interessante !

Postagens mais visitadas deste blog

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

PRECISAMOS FALAR DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA?