PROMESSAS DO NATAL

Por Laís Mazullo

lalah_mmp@hotmail.com

Duzentos anos antes de Cristo nascer, profetas haviam anunciado que o Messias prometido seria o redentor de todo o mundo. Ele não apenas libertaria os israelitas do jugo de outros povos, mas viria para redimir todos os homens da culpa, do pecado e da morte. A partir do Seu nascimento essas profecias começaram a se cumprir. O Natal, portanto, significa o início da realização do plano de Deus, por meio de Jesus, em nossas vidas.

No Antigo Testamento estão registradas as promessas de Deus sobre o nascimento de Cristo, dentre elas estão:

1. O Messias deveria vir da semente da mulher – Gênesis 3.15

Diferentemente de outros homens, que são gerados a partir da semente de seu pai, o Messias originou-se da “semente da mulher”. O Novo Testamento indica com clareza que José não foi o pai de Jesus, assim como nenhum outro homem. Pela primeira vez na história humana, uma virgem concebeu e deu à luz um filho. O cumprimento da profecia de Isaías 7.14: “Portanto o Senhor mesmo vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e lhe chamará Emanuel”, tornou Jesus imediatamente diferente de todos os homens.

2. O Messias deveria nascer em Belém ­– Miquéias 5.2

Por que Belém? Porque esta era a cidade de Davi, e o Messias seria da linhagem dele. Israel tinha numerosas cidades e aldeias, porém Deus escolheu Belém porque tinha sido a cidade de Jessé e Davi (Isaías 11.1). Embora tenha nascido em Belém, Jesus não foi criado lá. Seus pais viviam em Nazaré e foram à Belém somente para alistar-se. Lá chegando, Maria deu à luz o Verbo de Deus, na mesma cidade em que os profetas haviam dito que Ele nasceria.

3. O Messias seria o Herdeiro do trono de DaviIsaías 9.6-7

Muitos judeus rejeitaram Jesus como Messias porque, embora Ele cumprisse a primeira parte da promessa, que diz: “Um menino nos nasceu, um filho se nos deu”, faltava cumprir o restante. Jesus precisava reinar sobre o trono de Davi. Eles queriam um rei poderoso acima de todas as nações, não um homem humilde que se sacrificasse pelos seus pecados (Isaías 53). Eles não tinham percebido que esse sacrifício era necessário para que, posteriormente, se cumprisse o restante da profecia, quando Jesus retornaria com glória e poder.

Portanto, nesse Natal louve o Rei dos reis, exalte o nome Daquele que foi prometido para o mundo resgatar! “Alegres celebremos, Natal é Deus por nós!” (Don Moen/ Marim J. Nystrom)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

PRECISAMOS FALAR DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA?