AVIVAMENTO III


-->
Por João Marcos Bezerra
Baseado em observações do Prof. Augustus Nicodemus no Livro “O que estão fazendo com a Igreja”, cap. 24 e 26
-->
O “Avivamento” Moderno
Texto Base: Lucas 21:29-36
No estudo anterior entendemos que as manifestações sobrenaturais não estão diretamente relacionadas com a santidade e por isso podem ocorrer sem que haja um verdadeiro avivamento. Antes é importante entender que o avivamento está diretamente ligado a ação do Espírito Santo na vida dos cristãos, e onde há esta ação há mudanças de vidas, e onde há mudanças de vidas há santidade, isto é, o Espírito não age sem que haja transformação. Porém, no contexto atual brasileiro as igrejas cristãs estão experimentando algo sobrenatural. Segundo Augustus Nicodemus (2008):

O termo “avivamento” tem sido usado para designar momentos específicos na história da Igreja em que Deus visitou seu povo de maneira especial, pelo Espírito, trazendo quebrantamento espiritual, arrependimento dos pecados, mudança de vidas, renovação da fé e dos compromissos com ele, de tal forma que as igrejas, assim renovadas, produziam um impacto distinto e perceptível no mundo ao seu redor.

Este conceito exprime claramente o que já entendemos sobre avivamento nos dois estudos anteriores. Entretanto, é necessário visualizar os acontecimentos em nossa nação e buscar a compreensão dos fatos relacionando-os com o verdadeiro significado do tema em estudo.
Atualmente vemos o crescimento numérico nas igrejas evangélicas, mas não há diferença na vida dos ditos “evangélicos” na sociedade secular. A corrupção moral e ética dos cristãos é grande. Muitos destes estão envolvidos em escândalos de desvios financeiros, falsidade ideológica, extorsões e até abusos sexuais. Sem esquecer de que os cristãos envolvidos na política não conseguem nem vetar projetos de leis que são contra a sua fé.
Também podemos ver a profissionalização dos eventos dito gospel. Músicos que ganham a vida para levar as pessoas a “louvarem” ao Senhor. Em alguns casos estes profissionais nem convertidos são. Observamos muitos shows onde não há o ensino da Palavra e onde as músicas são vazias de conteúdo teológico e bíblico. Além disso, estão se formando padrões de cantores e músicos que são imitados dentro das igrejas durante o louvor. E o líder que exortar o imitador é considerado como tradicionalista e não avivado: “ele não deixa o Espírito fluir”, dizem os imitadores.
As igrejas hoje estão cheias de irmãos que não se conhecem e nem se suportam. Quando as igrejas são dividas por diferenças ideológicas, fica um rancor entre os que ficaram e os que saíram. Também vemos povos “cristãos” que não se juntam na mensagem do Evangelho. Há falta de amor aos irmãos e aos perdidos. Crentes vivem e gozam do fruto do pecado que inunda as suas vidas. Outros se envergonham do Evangelho de Cristo e não mostram quem deveriam ser como servos de Deus. Isto é uma vergonha!
Lembro de uma igreja que fiz parte durante algum tempo. Ela começou a se envolver num novo movimento carismático que chegara ao Brasil. No início era uma coisa maravilhosa: vidas se somando a igreja, grupos de estudo se formando, movimentos de oração; o Espírito fluía maravilhosamente nos cultos. Porém, o foco, que é a mensagem de Cristo, começou a ser ofuscado pelo interesse financeiro da liderança (o que era arrecadado não era investido na Igreja), pelos escândalos morais que alguns irmãos eram envolvidos, pela falta da aplicação da Palavra na vida dos membros, pela falta de batismos, pela troca do estudo da Bíblia nas reuniões por manifestações sobrenaturais e, consequentemente, pelo afastamento daqueles mais fervorosos para uma vida recheada de farras. Então, percebi que por trás daquele interesse pelo sobrenatural estava o interesse humano de se dar bem a custas dos outros.
Todavia, quero deixar claro que o avivamento é possível àquele que busca a Deus em espírito e em verdade (Jo 4.23) e que no meio de tudo isso há corações sinceros. Sabemos que “quando Deus começa a agir, o Diabo se alevanta com todas as suas forças” (Nicodemus, 2008) e faz uma reviravolta na vida daqueles que não vigiam (I Pe 5.8).
Portanto, mediante tudo isso que estudamos sobre o que é o Avivamento, a relação que tem com a santidade e a análise do momento em que vivemos no Brasil respondamos a pergunta: O avivamento no Brasil é verdadeiro? Também é de extrema importância não perder o foco do Evangelho e também separar o joio do trigo durante a colheita.
Que o SENHOR nos abençoe e nos guarde; que o SENHOR faça resplandecer o seu rosto sobre nós e tenha misericórdia de nós; o SENHOR sobre nós levante o seu rosto e nos dê a paz (Nm 6:24-26).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

FUSÃO NUCLEAR