O CORPO DE CRISTO

Texto base: I Co 12.12-20
Por João Marcos Bezerra
jmarcoscb@gmail.com



Paulo escreveu a primeira carta aos Coríntios provavelmente na sua terceira viagem missionária, quando ele estava em Éfeso.
A igreja de Corinto era jovem e passava por sérios problemas. A cidade era conhecida pela sua devassidão e licenciosidade (vida sem regra). Havia muita divisão, prostituição, irreverência, ensinos heréticos ocasionados pela falta de amor na “comunhão” cristã.
O apóstolo aborda no capítulo 12 o tema da unidade da igreja como o corpo de Cristo. E como corpo há muitos membros, tendo cada um uma função diferenciada, mas necessária e importante para a igreja.
Atualmente, para um crente ser considerado membro é necessário se batizar nas águas, mas esse ato não é obrigatório para haver o sentimento pessoal de membresia. Entretanto, para que não haja um mau entendimento, é importante lembrar que o batismo é uma ordenança deixada por Cristo, pois Ele mesmo foi batizado (Mt 3.13-17), e uma confissão pública de fé.
Com isso, se todos podem se sentir membros do Corpo de Cristo, pode-se considerar que todos têm uma função nesse corpo, isto é, na igreja. Entretanto, se na igreja de Corinto os irmãos consideravam algumas funções (ministérios e dons) melhores e mais importantes que outras, na igreja contemporânea as pessoas acham que podem ser “membro” e não fazer nada no sistema corporal cristão.
Na alegoria orgânica (12.21-27), Paulo demonstra bem a direta relação de um órgão com um membro da igreja. Isso quer dizer que se há alguém inerte, ou sem função, há uma deficiência. Esta pode causar diversos prejuízos no funcionamento do organismo.
Em Rm 12.6-8, I Co 12.8-10,28 e Ef 4.11 se encontram em torno de 15 dons espirituais, são eles: profetizar, ministrar (servir), ensinar, contribuir liberalmente, presidir (administrar) e exercer misericórdia; palavra da sabedoria, palavra do conhecimento, fé, dons de curar, operar milagres, discernir espíritos, falar em línguas e interpretá-las; missionário, socorro e pastoreio. Além desses, existem alguns talentos que podem ser usados no engrandecimento do reino, para a Glória de Deus.
Realizando uma análise somente sobre o dom do serviço, pode-se abranger todas as áreas profissionais legais e honestas para aplicá-las na obra e servir ao próximo. Por isso, Paulo considerou que um membro sadio não deixa o organismo deficiente; pelo contrário, colabora no pleno funcionamento do mesmo.
Diante de tudo isso, não há como alguém que se considerar membro do Corpo de Cristo achar confortável a paralisia. O Espírito constantemente motiva o agir para a Glória de Deus. Além disso, é necessário lembrar que Deus nos escolheu para frutificar, conforme Jo 15.16:

Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda.

E só frutificamos quando manifestamos a glória Dele; só há essa manifestação quando Ele age em nós; e Ele age, principalmente, quando agimos como instrumentos em Suas mãos, reforçando que todos têm uma determinada função na igreja. Amém!
Que Deus nos faça entender que Ele não precisa de nós, mas somos nós que precisamos da ação Dele através do Seu Espírito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

PRECISAMOS FALAR DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA?