O PRAZER NA ORAÇÃO

Por João Marcos Bezerra
(Baseado no Cap. 6 do Livro “Teologia da Alegria” de John Piper)


Sei que qualquer tipo de tema acerca da oração já foi ouvido ou discutido entre os irmãos. Mas pretendo trazer, através da Palavra de Deus, algo muito forte que é o Prazer através da Oração.
Para começarmos, o dicionário Aurélio põe o prazer como alegria, satisfação. E para a oração temos as seguintes definições:
· Dicionário Aurélio: Súplica religiosa; reza, prece, rogo.
· Bíblia de Estudos Pentecostal: A oração é uma comunicação multifacetada entre os crentes e o Senhor. Além de palavras como “oração” e “orar”, essa atividade é descrita como invocar a Deus (Sl 17.6). Invocar o nome do Senhor (Gn 4.26), clamar ao Senhor (Sl 3.4), levantar nossa alma ao Senhor (Sl 25.1), buscar ao Senhor (Is 55.6), aproximar-se do trono da graça com confiança (Hb 4.16) e chegar perto de Deus (Hb 10.22).
Então, a nossa reflexão vem tratar da “Satisfação, alegria, em invocar, rogar, a Deus”.
Em João 14.13 lemos: “E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho” (RC). E em João 16.24: “Até agora nada tendes pedido em meu nome; pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa” (RA). Observamos nestes dois textos que o propósito da oração é que o Pai seja glorificado e que a nossa alegria seja completa.
O que é comum em relação às pessoas é que colocam os interesses humanos, pessoais, acima da glória de Deus. Recorrem ao Pai como se Ele fosse o servo, pronto a servir, e nós os senhores, prontos a ordenar. Isso não é o verdadeiro retrato do prazer que a oração dá ao cristão, pois ela se estrutura na nossa alegria completa que manifesta a Glória de Deus.
Em I Co 10.31 (RA) lemos: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus”. Inclusive a oração.
John Piper (p. 134, 2001) relata:

Imagine que você está totalmente paralisado e não pode fazer nada por si mesmo, a não ser falar. E imagine que um amigo forte e confiável prometeu morar com você e fazer tudo o que você precisa fazer. Como você pode glorificar seu amigo se um estranho vem ver você? Você tentaria glorificar sua generosidade e força tentando sair da cama a carregando-o? Não! Você diria: “Meu amigo, por favor, venha levantar-me, ponha um travesseiro nas minhas costas para que eu possa olhar para o meu visitante. E, por favor, ponha os óculos em mim”. Desse modo, seu visitante concluiria a partir de seus pedidos que você está impossibilitado e que seu amigo é forte e gentil. Você glorifica seu amigo precisando dele, pedindo-lhe que o ajude e dependendo dele.

É assim que devemos glorificar a Deus, mostrando que não somos capazes de fazer nada, que dependemos Dele para tudo. Jesus disse isso em João 15.5b: “porque sem mim nada podeis fazer”. E, ainda, aproveitando John Piper (p. 135, 2001):

E como Deus é glorificado pela oração? A oração é a admissão pública de que sem Cristo não podemos fazer nada. Orar é desviar-se de si mesmo para Deus, na confiança de que Ele providenciará a ajuda de que precisamos. A oração nos humilha, como necessitados, e exalta Deus, como rico.

Na Bíblia encontramos vários personagens que através das suas orações glorificaram a Deus, alguns deles são:
1. Elias: Deus respondeu às orações em pelo menos quatro grandes ocasiões; em todas elas redundaram em glorificar ao Deus de Israel (Tg 5.17,18) (BEP);
2. Daniel: Não há dúvida de que ele orou ao Senhor, pedindo para ser guardado, e Deus atendeu o seu pedido (Dn 6.10,16-22) (BEP);
3. Os cristãos primitivos: Oraram incessantemente a Deus pela libertação de Pedro da prisão, e Deus enviou um anjo para libertá-lo (At 12.3-11; cf. 12.5) (BEP).
Como podemos ver, a Glória do Senhor se manifestou através dessas orações e de muitas outras relatadas na Bíblia e em outros livros também. Então, quando orarmos ao Senhor devemos buscar a manifestação da Sua glória através das nossas preces.
Devemos lembrar que o prazer da oração está na glorificação do Pai, através da nossa satisfação. Deus é o nosso Senhor e quer responder as nossas orações, vendo o gozo que nos proporciona e, através desse gozo, testemunhar da sua Maravilhosa Glória.
Deus derrame bênçãos sobre nós e resplandeça a Sua Grandeza.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SÓ QUEM PODE ME JULGAR É DEUS! SERÁ?!

CADMIEL: UMA HISTÓRIA SEM FIM

PRECISAMOS FALAR DE SUICÍDIO NA ADOLESCÊNCIA?